Sol
ATIVIDADES PEDAGÓGICAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR INFANTIL INFANTIL AVANÇADO BÁSICO BÁSICO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EXPLORANDO O SISTEMA  SOLAR
Todas as imagens utilizadas neste site pertencem a terceiros, que gentilmente permitiram sua utilização, assim sendo não podemos autorizar a utilização das imagens deste site. © CIÊNCIA-CULTURA.COM - Responsável - Ricardo Pante
Explorando o sistema solar ……
Sol
Saturno
Lua
O que sabemos sobre o Sol ? O Sol possui muitos nomes em muitas culturas. Os antigos gregos chamaram de Hélios e os antigos romanos chamaram Sol, sendo que ambos derivam do mesmo significado. O Sol é a estrela mais próxima da Terra, a uma distância média de nosso planeta de 149.60 milhões de quilómetros. Esta distância é conhecida como uma unidade astronômica (abreviado UA), e define a escala para medir distâncias em todo o sistema solar. O Sol, uma enorme esfera de gás ionizado, em sua maioria, é responsável pela vida na Terra. A conexão e as interações entre o Sol e a Terra produzem as estações do ano, as correntes oceânicas, o tempo e o clima. É o centro do nosso sistema solar. O Sol é tão grande, que seria necessário um milhão de Terras para obter o tamanho do Sol.  Com instrumentos especiais, conhecidos como espectrógrafos sabemos que o Sol é feito quase que inteiramente de dois gases, hidrogênio e hélio. A temperatura na sua superfície é de cerca de 5 500 °C, isto quer dizer que sua temperatura é 20 vezes maior do que um forno, você tem na sua cozinha. Na região central, a temperatura sobe para aproximadamente 15 milhões de graus Celsius e o gás é comprimido de tal forma que sua densidade seria 10 vezes maior que a do chumbo. As temperaturas e pressões são tão elevadas, que o Sol se transforma num reator nuclear, onde o hidrogênio é convertido em hélio. Ao mesmo tempo, grandes quantidades de radiação são produzidas. Toda esta energia sai do centro e vai à superfície na forma de luz visível, infravermelho, ultravioleta e raios-X. A cada hora, o Sol ejeta um bilhão de toneladas de gás no espaço a uma velocidade de até 2 milhões de km por hora. Mesmo assim, o Sol é tão grande que ele pode continuar a queimar por bilhões de anos. A cada 11 anos o Sol passa por um momento em que ele se torna mais ativo.  Nesses momentos, o número de manchas escuras em sua superfície aumenta. No auge do ciclo das manchas solares, ocorre um aumento das tempestades solares. Durante este período, muitas explosões e ejeções de massa coronal explodem bilhões de toneladas de material que são lançadas ao espaço em altas velocidades. Estas tempestades solares vêm em direção à Terra, produzindo uma série de efeitos graves no nosso cotidiano. Elas podem causar cortes de energia, danificar satélites, afetar as comunicações e sistemas de navegação. Elas também causam as auroras na Terra . Este vídeo nos dá uma ideia de como é o comportamento de uma mancha solar. Radiação UV - energia invisível   Radiação UV (ultravioleta) é uma parte invisível da energia do Sol. Existem diferentes tipos de raios ultravioletas com base no seu comprimento de onda. Dois tipos que atingem a Terra são UVA e UVB. Os raios UVA atingem partes mais profundas da pele, causando rugas e envelhecimento da pele. Os raios UVB causam queimaduras e bolhas na pele.  Efeitos de radiação UV  A luz solar é a fonte de toda a vida na Terra. Ele ilumina a Terra e dá a energia solar para as plantas e animais que vivem. Também auxilia na produção de vitamina D nas células da pele. Esta vitamina é essencial para o crescimento e desenvolvimento de ossos sadios. Os médicos dizem que uma pequena quantidade (10 - 15 minutos por dia) de exposição ao sol é bom para a saúde, mas uma superexposição pode levar a uma série de problemas graves de saúde, incluindo melanoma maligno, outros cânceres de pele, cataratas, enfraquecimento do sistema imunológico, e o envelhecimento prematuro da pele. Com a proteção da camada de ozônio reduzida, existe um aumento nos níveis de radiação UV que atingem a superfície da Terra.  Fatores que influenciam a radiação UV  •	Hora do dia: Por volta do meio dia o Sol está mais alto no céu, e a radiação UV é mais intensa. •	Época do ano: O sol é mais intenso no verão, um pouco melhor na primavera e no outono, e no inverno possui uma intensidade menor. Os raios UV são também refletidos pela areia e água, mesmo no inverno, exposição excessiva ao Sol pode ocorrer porque a neve e o gelo refletem uma grande quantidade de radiação UV. •	As condições meteorológicas: É verdade que há menos radiação UV em um dia nublado, mas as nuvens não podem absorver cem por cento dos raios nocivos.  •	Latitude: Geralmente, quanto mais longe do equador, menor a quantidade de radiação UV. •	Altitude: A quantidade de radiação UV aumenta significativamente com a altitude, porque há menos atmosfera para absorver a radiação UV. •	Condições da camada de ozônio: A camada de ozônio proporciona uma melhor proteção para a radiação UV e a espessura da camada de ozônio varia conforme a estação do ano e a latitude.  Quais os cuidados que devemos ter com o Sol ? Em junho de 2003, a Terra foi atingida por um grande fluxo de vento solar. Rajadas de vento solar sacudiram o campo magnético da Terra e provocaram auroras brilhantes durante alguns dias. Este fenômeno, no hemisfério sul é chamado de aurora austral, nome dado por James Cook, uma referência direta ao fato de estar ao Sul, no hemisfério norte Galileo chamou de aurora boreal. Nesta animação vemos as chamadas aurora austral.  O Sol para efeito de estudo é dividido em algumas regiões, como mostra a ilustração: 1. Núcleo 2. Zona de radiação 3. Zona de convecção 4. Fotosfera 5. Cromosfera 6. Coroa 7. Mancha solar 8. Grânulos 9. Proeminência solar https://commons.wikimedia.org/wiki/User:Splette Fonte:  NASA Goddard Space Flight Center Anel coronal - Esta imagem feita com luz ultravioleta pela sonda TRACE, mostra este e outros traços que indicam que a maior parte do aquecimento ocorre abaixo da coroa perto da base dos anéis à medida que emergem da superfície e retornam à superfície solar. Estes laços coronais quentes se estendem por 30 ou mais vezes o diâmetro do planeta Terra. Transition Region and Coronal Explorer (TRACE) é um telescópio espacial da NASA criado para investigar as relações entre os campos magnéticos e as estruturas associadas de plasma no Sol, com imagens de alta resolução, da observação da fotosfera e da região de transição até a coroa solar. Crédito de imagem : NASA Esta imagem ultravioleta, mostra os brilhantes arcos de incandescência do gás que flui ao redor das manchas solares. Fonte:  GSFC  Esta imagem ultravioleta, mostra os brilhantes arcos de incandescência do gás que flui ao redor das manchas solares. Fonte:  GSFC A sonda Solar Dynamics Observatory da NASA. As atividades que ocorrem no Sol, de alguma forma impactam o nosso planeta e a sociedade humana de diferentes maneiras.  O clima terrestre, a concentração de ozônio na estratosfera, a resistência encontrada pelos satélites em órbita, dependem das variações na radiação emitida pelo Sol. Astronautas, passageiros de companhias aéreas e circuitos elétricos dos satélites, estão todos vulneráveis as partículas energéticas produzidas nas explosões solares e nas ejeções de massa coronal.  A energia elétrica que é levada para nossas casas e empresas, as comunicações e sistemas de navegação podem ser interrompidas por tempestades geomagnéticas impulsionadas por explosões de energia dos ventos solares. O Sol é uma estrela ativa. O Observatório Solar Dynamics (SDO) foi projetado para estudar o comportamento do Sol como nenhum outro projeto espacial na história da NASA. Câmaras fotográficas que se encontram a bordo da sonda SDO, fotografam em alta velocidade as erupções solares e outras atividades magnéticas.  Os equipamentos da sonda SDO não estudam somente a superfície solar, sensores especiais observam camadas internas do Sol, responsáveis pelas atividades desta estrela. Assim a SDO, com seus equipamentos, nos dará pistas vitais para entender o ciclo solar e ajudar os cientistas a prever as atividades do Sol. O estudo dos mecanismos que provocam a variabilidade solar, fornecerá as ferramentas e conhecimento científico que nos permitirão melhorar a qualidade das previsões das atividades solares. Possibilitará também, a discussão sobre várias questões chaves da ciência, que derivam do nosso pequeno conhecimento de fundamentos físicos, que ocasionam a variabilidade do Sol. Estes resultados poderão nos ajudar na modelagem, quantificação e talvez previsão do comportamento variável do Sol. Assim, poderemos discutir sobre as questões científicas e problemas que surgem da radiação solar, suas partículas, e a emissão do plasma magnetizado.   Esta imagem procura nos dar uma ideia do impacto de uma tempestade solar o escudo magnético da Terra. Erupções solares e ejeções de massa coronal pode desativar satélites, prejudicar a transmisão de energia elétrica e perturbar as comunicações. Crédito: A Guide to the Mission and Purpose of NASA’s Solar Dynamics Observatory  Imagem da lua em trânsito através do sol, feita pela sonda  SDO. SDO observa a dinâmica do Sol para aumentar a nossa compreensão sobre os motivos que provocam a  variabilidade solar. Ao estudar como a energia é armazenada e liberada na atmosfera do Sol, de onde vem esta energia, como é o interior do Solpara que possamos melhorar a previsão do "clima espacial".