Boa parte das imagens utilizadas neste site pertencem a terceiros, que gentilmente permitiram sua utilização, assim sendo não posso autorizar a utilização das imagens deste site. © CIÊNCIA-CULTURA.COM - Responsável - Ricardo Pante
Leitura
Artigo gentilmente cedido pela American Institute of Physics. Sugestão: Após a leitura do texto abaixo, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 4: Contracultura Quântica
Não é sempre que você tem o privilégio de redescobrir algo que ama, mas isso acontecia todos os dias enquanto eu trabalhava neste episódio. Pesquisar e escrever este episódio exigiu muita mecânica quântica (a física da menor escala), um gênero de física que foi difícil para mim curtir no começo. As estrelas são bonitas. Novos planetas são legais. Nem me fale sobre buracos negros. Mas o funcionamento misterioso e pouco intuitivo dos menores aspectos do nosso universo? Foi difícil para mim entender, muito menos apreciar. Até que comecei este episódio. Por meio desse episódio, comecei a pensar na mecânica quântica como uma manifestação física da filosofia, em vez de uma matemática complicada. Ao remover os exames e cálculos que distraíam meu senso de admiração, redescobri a beleza da mecânica quântica e meu amor pela
Três lendas da mecânica quântica andam de bicicleta juntas. Max Born, um dos fundadores da física quântica e a pessoa que introduziu o conceito de probabilidade na quântica, é retratado aqui andando de bicicleta com Maria Goepport Meyer, a física germano-americana que ganhou o Prêmio Nobel de Física por propor o modelo do invólucro nuclear do átomo. Victor Weisskopf serviu como vice-líder da Divisão Teórica do Projeto Manhattan em Los Alamos durante a Segunda Guerra Mundial antes de fazer campanha contra a proliferação de armas nucleares. Crédito: AIP Emilio Segrè Visual Archives, Physics Today Collection, Presente de Jost Lemmerich, Catalog ID Weisskopf Victor C6
Albert Einstein e Niels Bohr tiveram uma disputa famosa e pública sobre a interpretação da mecânica quântica. Embora continuassem amigos e tivessem um enorme respeito um pelo outro, Einstein nunca poderia aceitar o mundo quântico que Bohr imaginou e que continua sendo o favorito até hoje. Bohr acreditava no que é chamado de interpretação de Copenhague, onde, até que uma medição seja feita, uma partícula existe em todos os estados ao mesmo tempo. Se isso não faz sentido para você, você está em boa companhia! Ainda assim, essa interpretação se encaixa com precisão no que sabemos sobre a mecânica quântica. Crédito: Fotografia de Paul Ehrenfest, cortesia AIP Emilio Segrè Visual Archives, Ehrenfest Collection, Catalog ID Einstein Albert C22
John Bell e sua esposa, Mary Bell. Por volta de 1990. Crédito: Fotografia de Kurt Gottfried, cortesia da AIP Emilio Segrè Visual Archive ID Catálogo Bell John Stewart C
Robert Oppenheimer esquerda) e General Leslie Groves direita) no Marco Zero do local de teste da bomba nuclear demonstrando uma aplicação da mecânica quântica, 1945. Crédito: Digital Photo Archive, Departamento de Energia (DOE), cortesia de AIP Emilio Segrè Visual Archives, Catálogo ID Oppenheimer J Robert C35.
Dra. Elizabeth Rauscher, co-fundadora do Funda- mental Fysiks Group. Crédito: site da Rauscher: https://elizabethrauscher.
física. Quântica é tão apaixonante! O Ex Libris Universum satisfez minha necessidade de compartilhar a ciência que não chegou ao podcast em nosso post do Dia Mundial do Quântico , então não vou repeti-lo aqui (embora fosse uma ótima leitura suplementar para o episódio). (NT - Um grupo de cientistas dedicados à teoria quântica e espalhados por mais de 60 países em todos os continentes celebra esta data em 14 de abril, o Dia Mundial Quântico, com uma série de eventos on-line) “Contracultura Quantum” segue um grupo dos chamados físicos hippies que estavam cansados ​​de aceitar a filosofia cale a boca e calcule ( Richard Feynman pode ou não ter dito ) que era a norma da física quântica. . No século 19 e início do século 20, um novo campo da física começou a tomar forma. Os físicos estavam descrevendo o comportamento de tudo, desde a luz até as partículas, até os objetos que brilham quando estão quentes. Embora esses sejam fenômenos aparentemente não relacionados, cada experimento se aproximou da compreensão de como eles se conectam. Em 1924, este campo foi oficialmente nomeado no artigo de Max Born, “Über Quantenmechanik”, que se traduz em “Sobre a mecânica quântica”. O nome vem do que Einstein apelidou de “quantum” ou a menor unidade em que algo pode se decompor. Esse novo campo tinha propriedades que divergiam significativamente do que as pessoas entendiam sobre a física. Um resultado foi que as partículas seriam capazes de se comunicar umas com as outras mais rapidamente do que a velocidade da luz (Comunicação superlumínica). Para lidar com essa disparidade, em 1935, Albert Einstein, Boris Podolsky e Nathan Rosen propuseram que havia “variáveis ocultas”, informações que ainda não sabíamos, que explicavam o comportamento das partículas. Isso foi apropriadamente chamado de Teorema de Einstein-Podolsky-Rosen (EPR) e foi bem recebido pela comunidade da física porque explicava razoavelmente um conceito com o qual muitos se sentiam desconfortáveis. John Bell, no entanto, provou que a teoria quântica EPR produziu resultados diferentes. Ele publicou seu experimento mental e resultados em 1964, que foi então apelidado de "Teorema de Bell" ou "desigualdade de Bell". Às vezes, as pessoas creditam o Teorema de Bell como prova de que a mecânica quântica está certa. Isso não aconteceu. No entanto, provou que a mecânica quântica é tão maluca e mágica quanto esses físicos tradicionais temiam. muito tempo é tradição dos cientistas refletir sobre as implicações filosóficas de seu trabalho. No entanto, durante os anos de formação da mecânica quântica, as questões filosóficas sobre o mundo descrito pela mecânica quântica foram desencorajadas. O final do século 19 e o início do século 20 foram marcados por conflitos: tanto as Guerras Mundiais quanto a Guerra Fria distraíram grande parte do hemisfério norte. Embora a ação militar muitas vezes impulsione os avanços científicos, particularmente na física, a natureza premente da guerra deixou pouco tempo para filosofar. Isso era especialmente verdadeiro para a nova física - a mecânica quântica - que tinha um tremendo potencial de armamento, mas era difícil de conciliar com outros ramos da física. Assim, os cursos universitários de física enfatizavam o método prático de cale a boca e calcule” . Ao encerrar o discurso filosófico, a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria inspiraram a expansão da física. O potencial de armas da mecânica quântica era claro e o campo crescia exponencialmente. O financiamento, no entanto, limitou-se a pesquisas com aplicações claras. A filosofia quântica e as investigações sobre o Teorema de Bell foram consideradas muito abstratas para aplicações práticas. Físicos como John Clauser, que realizou um teste experimental do Teorema de Bell em 1972, lutaram para encontrar empregos por causa de seus interesses filosóficos. Não foi apenas na física que alguns se sentiram insatisfeitos com a mentalidade do tempo de guerra. A mentalidade antiguerra alimentou o movimento de contracultura dos anos 60 e 70. Para muitos na geração que está chegando à maioridade e, é claro, na era do recrutamento, a Guerra do Vietnã não valia a pena lutar. Começando nos campi universitários em meados da década de 1960, os protestos contra a guerra se espalharam por todo o país. Os protestos se espalharam pela cultura popular, pois muitos artistas notáveis contribuíram com canções, literatura e artes visuais. O protesto não se limitou ao antiguerra; o Movimento dos Direitos Civis também ganhou força nessa época. Ao mesmo tempo em que crescia a insatisfação com o estilo de vida americano, crescia também a popularidade das religiões não ocidentais e das tradições místicas. A desilusão generalizada com a cultura tradicional produziu uma nova era, uma contracultura. Um pequeno grupo de físicos da contracultura, muitos dos quais se formaram em universidades de prestígio com doutorado, mas passaram por tempos difíceis, migrou para a área da baía de São Francisco. Lá, eles se sentiram melhor representados pelo movimento new age. Estudantes de pós-graduação da Universidade da Califórnia em Berkeley, Elizabeth Rauscher e Henry Weissman, que estavam frustrados com “cale a boca e calcule” criaram um grupo que estava aberto a qualquer um que estivesse disposto a se envolver com a filosofia quântica. Personagens importantes do grupo incluem Henry Stapp, Saul-Paul Sirag e Jack Sarfatti, para citar alguns. Os membros fundadores o apelidaram de Fundamental Fysiks Group. Um grande tema de conversa: o Teorema de Bell. O Fundamental Fysiks Group reservou uma sala de seminários na universidade e teve amplas discussões semanais. Eles cobriram tudo sobre as implicações do teorema de Bell, desde o livre-arbítrio até a parapsicologia. A parapsicologia inclui tópicos como telepatia, telecinese, comunicação com fantasmas e percepção extra-sensorial. O FFG apelidou esses tópicos de “psi”, um trocadilho que faz referência tanto ao nome parapsicologia quanto à letra grega Ψ, que representa a função de onda quântica. Embora esses tópicos pareçam mais com pseudociência do que com a física das bombas nucleares, esse é o ponto. Como disse Elizabeth Rauscher, “qualquer assunto (mesmo que não exista) é uma ciência, se a metodologia da ciência for usada para estudá-la”. Eles combinaram a nova física com ideias do misticismo oriental para encontrar significado. A pesquisa em Psi assumiu muitas formas. Alguns físicos levantaram a hipótese de que, se você pode emaranhar partículas, pode controlar uma controlando a outra. Uma aplicação potencial era mover objetos à distância telecinesia. Eles se uniram a mágicos para entender como eles poderiam dobrar colheres aparentemente sem tocá-las. Naturalmente, foi um truque de mágica e o mágico que trabalhava com alguns desses físicos foi exposto como uma fraude. Outros experimentaram a telepatia. Se alguém estivesse em uma sala, eles poderiam se conectar com outra pessoa localizada em um local aleatório e saber onde eles estavam? Também pode ser possível se comunicar com fantasmas enquanto procura padrões na decadência atômica. Embora todas essas ideias possam parecer absurdas, elas foram experimentadas de forma empírica, Este episódio mudou a forma como eu via a ciência. Pelo que entendi, o método científico ocidental tradicional requer um observador objetivo para fazer medições repetíveis. Bom, pesquisando esse episódio, aprendi que essa não é a única nem necessariamente a melhor forma de fazer ciência. Na verdade, falha na física quântica, onde é impossível ter uma observação objetiva. O ato de observar ou medir uma partícula muda seu comportamento, significando que o observador é realmente um participante. No livro de Frijitov Capra de 1975, The Tao of Physics, ele argumenta que diferentes tradições místicas orientais se alinham naturalmente com o comportamento das partículas. Capra escreveu sobre um fracasso da ciência ocidental, “a ideia de 'participação' em vez de 'observação' foi formulada na física moderna apenas recentemente, mas é uma ideia bem conhecida de qualquer estudante de misticismo. O conhecimento místico nunca pode ser obtido apenas pela observação, mas apenas pela participação com todo o ser da pessoa... (pág. 141).
Sugestões de leitura sobre o tema Brubaker, Ben. “How Bell’s Theorem Proved ‘Spooky Action at a Distance’ Is Real ...” quantamagazine.org, July 20, 2021. Capra, Fritjof. 1975. The Tao of physics: an exploration of the parallels between modern physics and eastern mysticism. Berkeley [Calif.]: Shambhala. Haldeman, Peter. “The Return of Werner Erhard Father of Self-Help.” The New York Times, November 28, 2015. Kaiser, David. How the Hippies Saved Physics: Science, Counterculture, and the Quantum Revival. New York: W.W. Norton, 2012. McAdam, Stephen. “Bell’s Theorem and the Demise of Local Reality.” The American Mathematical Monthly 110, no. 9 (2003): 800–811. Mermin, N. David. “Is the Moon There When Nobody Looks? Reality and the Quantum Theory.” Physics Today 38, no. 4 (April 1985): 38–47. “Quantum Key Distribution (QKD) and Quantum Cryptography QC.” Cybersecurity. National Security Agency/Central Security Service. Accessed July 21, 2022. “Quantum Physics | Physics Library | Science.” Khan Academy. Khan Academy. Accessed July 21, 2022. Skibba, Ramin. “Einstein, Bohr and the War over Quantum Theory.” Nature 555, no. 7698 (March 27, 2018): 582–84.
Cover of How the Hippies Saved Physics by David Kaiser.
A ideologia ocidental mecanicista e determinista falha na mecânica quântica, que descreve o mundo como uma teia cósmica de energia interconectada e que muda aleatoriamente. Os personagens deste episódio adotam uma abordagem não convencional da física para entender as implicações da nova física da mecânica quântica. Embora seja fácil zombar deles buscando mágicos ou histórias de fantasmas, talvez esse empreendimento sério fosse exatamente o que o campo exigia. Tirando os hippies assassinos e os líderes de auto-ajuda intrigantes, é tão ruim assim acreditar em mágica? Se o produto da investigação científica sobre fenômenos parapsicológicos é uma compreensão mais profunda da mecânica quântica e suas aplicações, talvez desafiar nossas suposições sobre a ciência seja o que nos torna bons cientistas. Você pode ouvir Initial Conditions: A Physics History Podcast onde quer que você obtenha seus podcasts. Um novo episódio será lançado toda quinta- feira, então não se esqueça de se inscrever! Em nosso site , você encontrará transcrições, notas de shows e nossos recursos sugeridos para aprender mais sobre cada tópico que discutimos.
Sugestão: Após a leitura do texto acima, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 4: Contracultura Quântica. Maura Shapiro, Coordenadora de Podcast e Divulgação Veja todos os artigos de Maura Shapiro
Ciência e Cultura na escola
© CIÊNCIA-CULTURA.COM - Responsável - Ricardo Pante
Artigo gentilmente cedido pela American Institute of Physics. Sugestão: Após a leitura do texto abaixo, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 4: Contracultura Quântica
Não é sempre que você tem o privilégio de redescobrir algo que ama, mas isso acontecia todos os dias enquanto eu trabalhava neste episódio. Pesquisar e escrever este episódio exigiu muita mecânica quântica (a física da menor escala), um gênero de física que foi difícil para mim curtir no começo. As estrelas são bonitas. Novos planetas são legais. Nem me fale sobre buracos negros. Mas o funcionamento misterioso e pouco intuitivo dos menores aspectos do nosso universo? Foi difícil para mim entender, muito menos apreciar. Até que comecei este episódio. Por meio desse episódio, comecei a pensar na mecânica quântica como uma manifestação física da filosofia, em vez de uma matemática complicada. Ao remover os exames e cálculos que distraíam meu senso de admiração, redescobri a beleza da mecânica quântica e meu amor pela física. Quântica é tão apaixonante! O Ex Libris Universum satisfez minha necessidade de compartilhar a ciência que não chegou ao podcast em nosso post do Dia Mundial do Quântico , então não vou repeti-lo aqui (embora fosse uma ótima leitura suplementar para o episódio). (NT - Um grupo de cientistas dedicados à teoria quântica e espalhados por mais de 60 países em todos os continentes celebra esta data em 14 de abril, o Dia Mundial Quântico, com uma série de eventos on-line) “Contracultura Quantum” segue um grupo dos chamados físicos hippies que estavam cansados ​​de aceitar a filosofia cale a boca e calcule ( Richard Feynman pode ou não ter dito ) que era a norma da física quântica. . No século 19 e início do século 20, um novo campo da física começou a tomar forma. Os físicos estavam descrevendo o comportamento de tudo, desde a luz até as partículas, até os objetos que brilham quando estão quentes. Embora esses sejam fenômenos aparentemente não relacionados, cada experimento se aproximou da compreensão de como eles se conectam. Em 1924, este campo foi oficialmente nomeado no artigo de Max Born, “Über Quantenmechanik”, que se traduz em “Sobre a mecânica quântica”. O nome vem do que Einstein apelidou de “quantum” ou a menor unidade em que algo pode se decompor. Esse novo campo tinha propriedades que divergiam significativamente do que as pessoas entendiam sobre a física. Um resultado foi que as partículas seriam capazes de se comunicar umas com as outras mais rapidamente do que a velocidade da luz (Comunicação superlumínica). Para lidar com essa disparidade, em 1935, Albert Einstein, Boris Podolsky e Nathan Rosen propuseram que havia “variáveis ocultas”, informações que ainda não sabíamos, que explicavam o comportamento das partículas. Isso foi apropriadamente chamado de Teorema de Einstein- Podolsky-Rosen (EPR) e foi bem recebido pela comunidade da física porque explicava razoavelmente um conceito com o qual muitos se sentiam desconfortáveis. John Bell, no entanto, provou que a teoria quântica EPR produziu resultados diferentes. Ele publicou seu experimento mental e resultados em 1964, que foi então apelidado de "Teorema de Bell" ou "desigualdade de Bell".
Três lendas da mecânica quântica andam de bicicleta juntas. Max Born, um dos fundadores da física quântica e a pessoa que introduziu o conceito de probabilidade na quântica, é retratado aqui andando de bicicleta com Maria Goepport Meyer, a física germano-americana que ganhou o Prêmio Nobel de Física por propor o modelo do invólucro nuclear do átomo. Victor Weisskopf serviu como vice-líder da Divisão Teórica do Projeto Manhattan em Los Alamos durante a Segunda Guerra Mundial antes de fazer campanha contra a proliferação de armas nucleares. Crédito: AIP Emilio Segrè Visual Archives, Physics Today Collection, Presente de Jost Lemmerich, Catalog ID Weisskopf Victor C6
Albert Einstein e Niels Bohr tiveram uma disputa famosa e pública sobre a interpretação da mecânica quântica. Embora continuassem amigos e tivessem um enorme respeito um pelo outro, Einstein nunca poderia aceitar o mundo quântico que Bohr imaginou e que continua sendo o favorito até hoje. Bohr acreditava no que é chamado de interpretação de Copenhague, onde, até que uma medição seja feita, uma partícula existe em todos os estados ao mesmo tempo. Se isso não faz sentido para você, você está em boa companhia! Ainda assim, essa interpretação se encaixa com precisão no que sabemos sobre a mecânica quântica. Crédito: Fotografia de Paul Ehrenfest, cortesia AIP Emilio Segrè Visual Archives, Ehrenfest Collection, Catalog ID Einstein Albert C22
Robert Oppenheimer esquerda) e General Leslie Groves direita) no Marco Zero do local de teste da bomba nuclear demonstrando uma aplicação da mecânica quântica, 1945. Crédito: Digital Photo Archive, Departamento de Energia (DOE), cortesia de AIP Emilio Segrè Visual Archives, Catálogo ID Oppenheimer J Robert C35.
Às vezes, as pessoas creditam o Teorema de Bell como prova de que a mecânica quântica está certa. Isso não aconteceu. No entanto, provou que a mecânica quântica é tão maluca e mágica quanto esses físicos tradicionais temiam. muito tempo é tradição dos cientistas refletir sobre as implicações filosóficas de seu trabalho. No entanto, durante os anos de formação da mecânica quântica, as questões filosóficas sobre o mundo descrito pela mecânica quântica foram desencorajadas. O final do século 19 e o início do século 20 foram marcados por conflitos: tanto as Guerras Mundiais quanto a Guerra Fria distraíram grande parte do hemisfério norte. Embora a ação militar muitas vezes impulsione os avanços científicos, particularmente na física, a natureza premente da guerra deixou pouco tempo para filosofar. Isso era especialmente verdadeiro para a nova física - a mecânica quântica - que tinha um tremendo potencial de armamento, mas era difícil de conciliar com outros ramos da física. Assim, os cursos universitários de física enfatizavam o método prático de “ cale a boca e calcule” . Ao encerrar o discurso filosófico, a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria inspiraram a expansão da física. O potencial de armas da mecânica quântica era claro e o campo crescia exponencialmente. O financiamento, no entanto, limitou-se a pesquisas com aplicações claras. A filosofia quântica e as investigações sobre o Teorema de Bell foram consideradas muito abstratas para aplicações práticas. Físicos como John Clauser, que realizou um teste experimental do Teorema de Bell em 1972, lutaram para encontrar empregos por causa de seus interesses filosóficos. Não foi apenas na física que alguns se sentiram insatisfeitos com a mentalidade do tempo de guerra. A mentalidade antiguerra alimentou o movimento de contracultura dos anos 60 e 70. Para muitos na geração que está chegando à maioridade e, é claro, na era do recrutamento, a Guerra do Vietnã não valia a pena lutar. Começando nos campi universitários em meados da década de 1960, os protestos contra a guerra se espalharam por todo o país. Os protestos se espalharam pela cultura popular, pois muitos artistas notáveis contribuíram com canções, literatura e artes visuais. O protesto não se limitou ao antiguerra; o Movimento dos Direitos Civis também ganhou força nessa época. Ao mesmo tempo em que crescia a insatisfação com o estilo de vida americano, crescia também a popularidade das religiões não ocidentais e das tradições místicas. A desilusão generalizada com a cultura tradicional produziu uma nova era, uma contracultura. Um pequeno grupo de físicos da contracultura, muitos dos quais se formaram em universidades de prestígio com doutorado, mas passaram por tempos difíceis, migrou para a área da baía de São Francisco. Lá, eles se sentiram melhor representados pelo movimento new age. Estudantes de pós-graduação da Universidade da Califórnia em Berkeley, Elizabeth Rauscher e Henry Weissman, que estavam frustrados com “cale a boca e calcule” criaram um grupo que estava aberto a qualquer um que estivesse disposto a se envolver com a filosofia quântica. Personagens importantes do grupo incluem Henry Stapp, Saul-Paul Sirag e Jack Sarfatti, para citar alguns. Os membros fundadores o apelidaram de Fundamental Fysiks Group. Um grande tema de conversa: o Teorema de Bell.
John Bell e sua esposa, Mary Bell. Por volta de 1990. Crédito: Fotografia de Kurt Gottfried, cortesia da AIP Emilio Segrè Visual Archive ID Catálogo Bell John Stewart C
O Fundamental Fysiks Group reservou uma sala de seminários na universidade e teve amplas discussões semanais. Eles cobriram tudo sobre as implicações do teorema de Bell, desde o livre-arbítrio até a parapsicologia. A parapsicologia inclui tópicos como telepatia, telecinese, comunicação com fantasmas e percepção extra-sensorial. O FFG apelidou esses tópicos de “psi”, um trocadilho que faz referência tanto ao nome parapsicologia quanto à letra grega Ψ, que representa a função de onda quântica. Embora esses tópicos pareçam mais com pseudociência do que com a física das bombas nucleares, esse é o ponto. Como disse Elizabeth Rauscher, “qualquer assunto (mesmo que não exista) é uma ciência, se a metodologia da ciência for usada para estudá-la”. Eles combinaram a nova física com ideias do misticismo oriental para encontrar significado. A pesquisa em Psi assumiu muitas formas. Alguns físicos levantaram a hipótese de que, se você pode emaranhar partículas, pode controlar uma controlando a outra. Uma aplicação potencial era mover objetos à distância telecinesia. Eles se uniram a mágicos para entender como eles poderiam dobrar colheres aparentemente sem tocá- las. Naturalmente, foi um truque de mágica e o mágico que trabalhava com alguns desses físicos foi exposto como uma fraude. Outros experimentaram a telepatia. Se alguém estivesse em uma sala, eles poderiam se conectar com outra pessoa localizada em um local aleatório e saber onde eles estavam? Também pode ser possível se comunicar com fantasmas enquanto procura padrões na decadência atômica. Embora todas essas ideias possam parecer absurdas, elas foram experimentadas de forma empírica, Este episódio mudou a forma como eu via a ciência. Pelo que entendi, o método científico ocidental tradicional requer um observador objetivo para fazer medições repetíveis. Bom, pesquisando esse episódio, aprendi que essa não é a única nem necessariamente a melhor forma de fazer ciência. Na verdade, falha na física quântica, onde é impossível ter uma observação objetiva. O ato de observar ou medir uma partícula muda seu comportamento, significando que o observador é realmente um participante. No livro de Frijitov Capra de 1975, The Tao of Physics, ele argumenta que diferentes tradições místicas orientais se alinham naturalmente com o comportamento das partículas. Capra escreveu sobre um fracasso da ciência ocidental, “a ideia de 'participação' em vez de 'observação' foi formulada na física moderna apenas recentemente, mas é uma ideia bem conhecida de qualquer estudante de misticismo.
O conhecimento místico nunca pode ser obtido apenas pela observação, mas apenas pela participação com todo o ser da pessoa... (pág. 141). A ideologia ocidental mecanicista e determinista falha na mecânica quântica, que descreve o mundo como uma teia cósmica de energia interconectada e que muda aleatoriamente. Os personagens deste episódio adotam uma abordagem não convencional da física para entender as implicações da nova física da mecânica quântica. Embora seja fácil zombar deles buscando mágicos ou histórias de fantasmas, talvez esse empreendimento sério fosse exatamente o que o campo exigia. Tirando os hippies assassinos e os líderes de auto-ajuda intrigantes, é tão ruim assim acreditar em mágica? Se o produto da investigação científica sobre fenômenos parapsicológicos é uma compreensão mais profunda da mecânica quântica e suas aplicações, talvez desafiar nossas suposições sobre a ciência seja o que nos torna bons cientistas. Você pode ouvir Initial Conditions: A Physics History Podcast onde quer que você obtenha seus podcasts. Um novo episódio será lançado toda quinta-feira, então não se esqueça de se inscrever! Em nosso site , você encontrará transcrições, notas de shows e nossos recursos sugeridos para aprender mais sobre cada tópico que discutimos.
Dra. Elizabeth Rauscher, co-fundadora do Funda- mental Fysiks Group. Crédito: site da Rauscher: https://elizabethrauscher.
Cover of How the Hippies Saved Physics by David Kaiser.
Sugestões de leitura sobre o tema Brubaker, Ben. “How Bell’s Theorem Proved ‘Spooky Action at a Distance’ Is Real ...” quantamagazine.org, July 20, 2021. Capra, Fritjof. 1975. The Tao of physics: an exploration of the parallels between modern physics and eastern mysticism. Berkeley [Calif.]: Shambhala. Haldeman, Peter. “The Return of Werner Erhard Father of Self-Help.” The New York Times, November 28, 2015. Kaiser, David. How the Hippies Saved Physics: Science, Counterculture, and the Quantum Revival. New York: W.W. Norton, 2012. McAdam, Stephen. “Bell’s Theorem and the Demise of Local Reality.” The American Mathematical Monthly 110, no. 9 (2003): 800–811. Mermin, N. David. “Is the Moon There When Nobody Looks? Reality and the Quantum Theory.” Physics Today 38, no. 4 (April 1985): 38–47. “Quantum Key Distribution (QKD) and Quantum Cryptography QC.” Cybersecurity. National Security Agency/Central Security Service. Accessed July 21, 2022. “Quantum Physics | Physics Library | Science.” Khan Academy. Khan Academy. Accessed July 21, 2022. Skibba, Ramin. “Einstein, Bohr and the War over Quantum Theory.” Nature 555, no. 7698 (March 27, 2018): 582–84.
Sugestão: Após a leitura do texto acima, a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 1: Eunice Foote: Uma Pioneira da Ciência do Clima que foi esquecida. Maura Shapiro, Coordenadora de Podcast e Divulgação Veja todos os artigos de Maura Shapiro
Ciência e Cutura na escola
Boa parte das imagens utilizadas neste site pertencem a tercei- ros, que gentilmente permitiram sua utilização, assim sendo não posso autorizar a utilização destas imagens.