Boa parte das imagens utilizadas neste site pertencem a terceiros, que gentilmente permitiram sua utilização, assim sendo não posso autorizar a utilização das imagens deste site. © CIÊNCIA-CULTURA.COM - Responsável - Ricardo Pante
Leitura
A história de Ralph Hartley (1888-1970) também mostra como pode ser tênue a linha entre a pseudociência e a ciência, e como o conhecimento científico legítimo é determinado pela comunidade, e não por praticantes solitários. Hartley foi um pesquisador de eletrônica que lançou muitas das bases para o campo que mais tarde seria conhecido como teoria da informação. A maior parte de sua carreira foi trabalhando para Bell Laboratories. Além de seu trabalho com eletrônica, Hartley teve um interesse ao longo da vida pela teoria da relatividade. Mais especificamente, Hartley como muitos dos escritores da coleção Harvey achava que Einstein estava errado e que as equações de Maxwell eram suficientes para explicar a propagação das ondas eletromagnéticas. Para fazer isso, Hartley argumentou que havia um líquido sem dissipação que compreendia o vazio entre os objetos no espaço. Era outro termo para o éter que havia sido usado durante grande parte do século XIX. Na época de Hartley, a teoria do éter havia caído em desuso quando o experimento de Michelson- Morley de 1887 e observações aprimoradas do universo apontaram para sua imprecisão. Hartley passou décadas tentando publicar seus argumentos em revistas científicas. Ele tinha alguns aliados, principalmente Herbert Ives, mas não teve sucesso em publicar suas teorias em jornais de destaque. Dois revisores designados para um rascunho que Hartley submeteu à The Physical Review em 1953 resumiram a resposta da comunidade científica às suas ideias. O primeiro revisor escreveu: “Eu não aconselharia a The Physical Review a reabrir agora uma discussão sobre a relatividade, especialmente quando a teoria alternativa proposta neste artigo permanece tão vaga e imprecisa. O autor propõe um éter não linear incompressível. Isso significa uma velocidade infinita de propagação de ondas longitudinais, que nunca foi observada e a não linearidade também nunca foi observada.” A segunda revisão foi ainda mais contundente em sua rejeição: “Esses artigos não justificam a publicação na The Physical Review.
É fácil pensar na ciência como um processo que se move pela vontade de um punhado de gênios brilhantes e motivados. Como leitor do Ex Libris Universum, é claro, você sabe que isso é uma simplificação extrema. Independentemente disso, a história da figura genial tem poder de permanência, sem dúvida porque é assim que a maioria das pessoas aprende sobre o assunto. Tomemos, como alguns exemplos, Einstein e a relatividade, Newton e a gravidade, Galileu e o heliocentrismo. Apesar do que essa narrativa comum nos diz, a ciência é um processo social. Da educação e treinamento à publicação em periódicos revisados por pares, a ciência exige que os cientistas participem de uma comunidade. Esse é um dos aspectos mais fundamentais de como o novo conhecimento científico é gerado. Neste episódio, discutiremos algumas pessoas que tiveram algumas ideias interessantes, e que não resistiram ao rigoroso processo científico, nem foram aprovadas pelos cientistas que realizam pesquisas independentes em um ambiente acadêmico, industrial ou governamental com financiamento de pesquisa independente, geralmente revisado por pares. Eles demonstraram um alto nível de produtividade e um histórico distinto de contribuições originais como líderes reconhecidos em seu campo de pesquisa e servem como mentores e modelos em suas áreas de especialização científica. Antes de começar, devo salientar que as minhas ideias não são particularmente originais. Este episódio foi baseado na investigação de Michael Gordin, um historiador da ciência da Universidade de Princeton. Gordin publicou duas monografias sobre o tema da pseudociência e das teorias excêntricas. Em The Pseudoscience Wars: Immanuel Velikovsky and the Birth of the Modern Fringe (University of Chicago Press, 2012), Gordin argumenta que a pseudosciência é uma categoria considerada negativa. Foi utilizada por cientistas em diferentes momentos para desacreditar ideias não ortodoxas ou contrárias à ciência vigente. Neste episódio, usamos as ideias de Gordin sobre a pseudociência e a excentricidade científica para perceber por que é que a comunidade científica é importante na legitimação do conhecimento científico. Consulte a bibliografia abaixo para ver alguns dos escritos de Gordin sobre a excentricidade científica.
Enquanto pesquisava este episódio na Biblioteca e Arquivos Niels Bohr, deparei-me com a Coleção Alex Harvey sobre “Teorias Excêntricas”. O nome pareceu-me estranho, decidi então requisitar o material. Harvey, antigo presidente do Departamento de Física do Queens College, em Nova Iorque, colecionou cerca de duas dúzias de panfletos pseudocientíficos, que mais tarde doou à Biblioteca e Arquivos Niels Bohr. A sua qualidade variava, desde panfletos bizarros a monografias encadernadas indistinguíveis de livros científicos legítimos (exceto no que diz respeito a numerosos erros de digitação - as “vanity press” são editoras onde qualquer pessoa pode pagar para publicar um livro, - parecem ter padrões baixos de edição de texto). Em alguns dos manuscritos, Harvey anexou postits com instruções como "teoria excentricas - jogue fora". Por alguma razão, ele ignorou o seu próprio conselho, acabando por deixar a NBL&A com esta coleção muito incomum. Não sei o motivo exato pelo qual essas pessoas excêntricas enviaram seus manuscritos para Harvey. Posso especular que os autores buscaram a aprovação dentro da comunidade científica. Se suas ideias fossem tão revolucionárias, mesmo que simples ou óbvias, eles poderiam ter pensado, os cientistas que realmente trabalham com ciência, não deveriam ter problemas em ver o mérito de seus argumentos e apoiar suas conclusões. Embora muitos dos pseudocientistas incluídos na coleção de Harvey tivessem grandes egos é preciso ter uma tremenda convicção para descaradamente contestar teorias estabelecidas eles provavelmente ainda reconheciam a dimensão social da pesquisa científica e o papel que a comunidade desempenha na legitimação do conhecimento.
Velikovsky na reunião de 1974 da AAAS Fotógrafo: Donna Foster Roizen. Detentor dos direitos autorais: Frederic Jueneman. Disponível no Wikimedia Commons. Velikovsky no Encontro AAAS de 1974 em San Francisco.
Retrato de Herbert Ives. Créditos de mídia: Bell Laboratories / Alcatel-Lucent USA Inc., cortesia AIP Emilio Segrè Visual Archives, Physics Today Collection
“O autor (Ralph Hartley), entendendo mal os resultados da campanha de Herbert Ives contra as transformações de Lorentz e a teoria da relatividade especial, argumenta erradamente que devemos regressar à mecânica clássica para um princípio de relatividade." Ele, portanto, procura um sistema clássico capaz de propagar o movimento das ondas de acordo com as equações de Maxwell e apresenta o modelo giróstato de Kelvin do éter de MacCullagh de 1839. Que algumas das propriedades de suas soluções imitam o comportamento dos objetos na teoria especial da relatividade não é surpreendente, pois decorrem das equações de Maxwell. Assim, com base em um mal-entendido alimentado pela luta obstinada de Ives [sic] contra Lorentz e Einstein, o autor propõe um passo que lançaria a física teórica para o século passado.” Hartley não foi dissuadido pela relutância dos editores de periódicos em publicar suas ideias. Ele finalmente teve um artigo publicado na edição de outubro de 1959 da Philosophy of Science. O nome da revista sugere que seus editores estavam mais dispostos a aceitar artigos que iam contra a corrente da ciência. Depois que seu artigo foi publicado, Hartley encontrou alguns apoiadores em todo o mundo que também eram céticos em relação à teoria da relatividade de Einstein. Ainda assim, ele teve problemas para publicar suas pesquisas subsequentes sobre o éter em revistas científicas. Nunca foi um homem saudável, Hartley sofria do que chamou de “exaustão nervosa”, que o manteve acamado e se recuperando por meses. Apesar de sua doença, ele continuou sua pesquisa até sua morte em 1970. A comunidade científica tem o papel decisivo na determinação do que é ou não ciência. Velikovsky foi capaz de construir algumas instituições paralelas que se assemelhavam às da ciência legítima, mas após sua morte seus seguidores lutaram para manter o ímpeto que o próprio Velikovsky trouxe para seu campo de estudo. No caso de Hartley, o processo de revisão por pares funcionou como planejado para garantir que sua reversão à teoria ultrapassada do éter não ganhasse força no mainstream científico. A publicação das ideias de Hartley lhes daria credibilidade, o que poderia, por sua vez, prejudicar a reputação da ciência legítima. A forma que a ciência assume sua linguagem, metodologias e processos editoriais é bastante atraente para os pseudocientistas. No entanto, da mesma forma, ideias que são muito bizarras raramente chegam muito longe nas principais instituições científicas. O objetivo de focar nos pseudocientistas não é diminuir seus esforços, mas sim destacar o importante papel que a prática social da ciência desempenha na geração de conhecimento legítimo, verificável e preciso sobre o mundo natural.
A rtigo gentilmente cedido pela American Institute of Physics. Sugestão: Após a leitura do texto abaixo, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 5: Einstein estava errado?
Velikovsky foi um nome familiar; seu primeiro livro Worlds in Collision (NDT no Brasil: Mundos Em Colisão Editora Melhoramentos - 1981) vendeu bem quando foi publicado em 1950. Velikovsky argumentava que o planeta Vênus era na verdade um cometa que se originou perto de Júpiter; séculos atrás, passou perto da Terra, reorientando o eixo e a órbita do nosso planeta. Velikovsky mais tarde afirmaria que o cometa também continha petróleo, que se inflamou ao passar pela atmosfera da Terra. Os observadores teriam testemunhado essas catástrofes perigosas e as atribuído à ira divina, que forneceu a base para as histórias do Antigo Testamento. Você não está sozinho se pensar que os argumentos apresentados por Velikovsky em Worlds in Collision são bem esquisitos. Inicialmente, Velikovsky tentou atrair interesse em seu catastrofismo enviando cópias de seu manuscrito para cientistas e bibliotecários, recebendo poucas respostas. Depois de muitas rejeições das editoras, Velikovsky foi aceito pela Macmillan, uma conceituada editora de livros acadêmicos. Quando Macmillan anunciou os detalhes da publicação, os cientistas responderam veementemente contra o livro, criticando a falta de formação de Velikovsky sobre astronomia e bem como o básico em física. Edward Thorndike, predecessor de Alex Harvey no Queens College, foi um dos primeiros revisores. Sobre Worlds in Collision, ele escreveu “a física não é boa”. Ao invés de dissuadi-lo, a resposta dos cientistas ao seu livro fez de Velikovsky uma celebridade, e impulsionando as vendas de seu livro na estreia. Enquanto os cientistas conseguiram convencer Macmillan em cancelar a publicação de Velikovsky, o contrato foi fechado pela Doubleday, que logo se tornou um best-seller em mãos. Gordin continua descrevendo como Velikovsky capitalizou a contracultura e sua rejeição à ciência estabelecida, Gordin continua descrevendo como Velikovsky capitalizou a contracultura e sua rejeição à ciência estabelecida, em alguns momentos criando revistas revisadas por pares e cursos de estudo para o Velikovskianismo, assemelhando-se às práticas científicas convencionais. Como Velikovsky continuou a publicar suas ideias sobre catástrofes cosmológicas, os cientistas denunciaram ruidosamente sua pesquisa como pseudociência, o que permitiu a Velikovsky apresentar-se como um cavaleiro solitário. As coisas chegaram ao auge na reunião de 1974 da Associação Americana para o Avanço da Ciência, durante a qual os organizadores da conferência agendaram uma reunião em que o próprio Velikovsky discutiu seu trabalho com cientistas como Carl Sagan. A reunião foi concebida pela primeira vez em 1972, depois que Walter Orr Roberts, ex-presidente da AAAS, sugeriu um simpósio para reunir astrônomos e velikovskianos após a leitura da primeira edição do Pensée, o jornal de Velikovsky. Nenhum dos lados saiu da reunião convencido das conclusões do outro, no entanto os cientistas podiam dizer que deram a Velikovsky um tratamento justo. Como Velikovsky, os autores incluídos na coleção Harvey tinham personalidades fortes que transparecem em seus escritos. Eles estavam, em sua maioria, convencidos de seu próprio brilhantismo diante do consenso científico. A maioria dos autores cujo trabalho está na coleção, contesta a precisão da teoria da relatividade de Einstein. Frequentemente, eles apresentam seus argumentos em uma linguagem que soa científica e pode passar por ciência legítima para leitores desinformados. Os escritores incluídos na coleção Harvey apontam para o apelo da validação científica. Os “pseudocientistas” entendem que, mesmo que os cientistas estejam errados sobre Einstein (e, portanto, muito da física no século XX ), eles continuam sendo os árbitros do que constitui fato científico e ficção pseudocientífica. Pseudocientistas não podem acrescentar ou desafiar fatos científicos se cientistas legítimos não estiverem dispostos a considerar seu trabalho. A força de uma personalidade não pode sustentar ideias pseudocientíficas. Velikovsky gostou da atenção. Ele era, afinal, um auto promotor brilhante. Velikovsky provavelmente viu a reunião de 1974 e a campanha de décadas dos cientistas contra seu trabalho como uma indicação de que Mundos em Colisão era um desafio subversivo e poderoso ao conhecimento e as tradições científicas estabelecidas. No entanto, ao longo de sua vida, ele também procurou a companhia de cientistas que o ouvissem. Em 1952, Velikovsky mudou-se para Princeton, Nova Jersey, onde fez amizade com Albert Einstein. Os dois emigrados judeus provavelmente se uniram por causa de seus antecedentes compartilhados. Às vezes, Velikovsky pedia a Einstein que examinasse sua pesquisa.
Portrait of Ralph V.L. Hartley. Courtesy of Wikimedia Commons.
Sugestões de leitura sobre o tema Gordin, Michael D. On the Fringe: Where Science Meets Pseudoscience. New York: Oxford University Press, 2021. Gordin, Michael D. The Pseudoscience Wars: Immanuel Velikovsky and the Birth of the Modern Fringe. Chicago: University of Chicago Press, 2012.
Fotografia do interferômetro, que foi usado para estudar as propriedades do éter. Interferômetro Ether-Drift, usado por Morley e Miller em 1903-1905. Uma versão anterior deste dispositivo que foi usada no experimento de Michelson-Morely de 1887 não detectou nenhum arrasto na propagação das ondas de luz do éter, desferindo um golpe na teoria que havia sido dominante durante grande parte do século XIX.I Créditos de mídia - AIP Emilio Segrè Arquivos Visuais
Sugestão: Após a leitura do texto acima, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 5: Einstei estava errado? Justin Shapiro, Coordenadora de Podcast e Divulgação Veja todos os artigos de Justin Shapiro
Ciência e Cultura na escola
© CIÊNCIA-CULTURA.COM - Responsável - Ricardo Pante
A história de Ralph Hartley (1888-1970) também mostra como pode ser tênue a linha entre a pseudociência e a ciência, e como o conhecimento científico legítimo é determinado pela comunidade, e não por praticantes solitários. Hartley foi um pesquisador de eletrônica que lançou muitas das bases para o campo que mais tarde seria conhecido como teoria da informação. A maior parte de sua carreira foi trabalhando para Bell Laboratories. Além de seu trabalho com eletrônica, Hartley teve um interesse ao longo da vida pela teoria da relatividade. Mais especificamente, Hartley como muitos dos escritores da coleção Harvey achava que Einstein estava errado e que as equações de Maxwell eram suficientes para explicar a propagação das ondas eletromagnéticas. Para fazer isso, Hartley argumentou que havia um líquido sem dissipação que compreendia o vazio entre os objetos no espaço. Era outro termo para o éter que havia sido usado durante grande parte do século XIX. Na época de Hartley, a teoria do éter havia caído em desuso quando o experimento de Michelson-Morley de 1887 e observações aprimoradas do universo apontaram para sua imprecisão. Hartley passou décadas tentando publicar seus argumentos em revistas científicas. Ele tinha alguns aliados, principalmente Herbert Ives, mas não teve sucesso em publicar suas teorias em jornais de destaque. Dois revisores designados para um rascunho que Hartley submeteu à The Physical Review em 1953 resumiram a resposta da comunidade científica às suas ideias. O primeiro revisor escreveu: “Eu não aconselharia a The Physical Review a reabrir agora uma discussão sobre a relatividade, especialmente quando a teoria alternativa proposta neste artigo permanece tão vaga e imprecisa. O autor propõe um éter não linear incompressível. Isso significa uma velocidade infinita de propagação de ondas longitudinais, que nunca foi observada e a não linearidade também nunca foi observada.” A segunda revisão foi ainda mais contundente em sua rejeição: “Esses artigos não justificam a publicação na The Physical Review.
É fácil pensar na ciência como um processo que se move pela vontade de um punhado de gênios brilhantes e motivados. Como leitor do Ex Libris Universum, é claro, você sabe que isso é uma simplificação extrema. Independentemente disso, a história da figura genial tem poder de permanência, sem dúvida porque é assim que a maioria das pessoas aprende sobre o assunto. Tomemos, como alguns exemplos, Einstein e a relatividade, Newton e a gravidade, Galileu e o heliocentrismo. Apesar do que essa narrativa comum nos diz, a ciência é um processo social. Da educação e treinamento à publicação em periódicos revisados por pares, a ciência exige que os cientistas participem de uma comunidade. Esse é um dos aspectos mais fundamentais de como o novo conhecimento científico é gerado. Neste episódio, discutiremos algumas pessoas que tiveram algumas ideias interessantes, e que não resistiram ao rigoroso processo científico, nem foram aprovadas pelos cientistas que realizam pesquisas independentes em um ambiente acadêmico, industrial ou governamental com financiamento de pesquisa independente, geralmente revisado por pares. Eles demonstraram um alto nível de produtividade e um histórico distinto de contribuições originais como líderes reconhecidos em seu campo de pesquisa e servem como mentores e modelos em suas áreas de especialização científica. Antes de começar, devo salientar que as minhas ideias não são particularmente originais. Este episódio foi baseado na investigação de Michael Gordin, um historiador da ciência da Universidade de Princeton. Gordin publicou duas monografias sobre o tema da pseudociência e das teorias excêntricas. Em The Pseudoscience Wars: Immanuel Velikovsky and the Birth of the Modern Fringe (University of Chicago Press, 2012), Gordin argumenta que a pseudosciência é uma categoria considerada negativa. Foi utilizada por cientistas em diferentes momentos para desacreditar ideias não ortodoxas ou contrárias à ciência vigente. Neste episódio, usamos as ideias de Gordin sobre a pseudociência e a excentricidade científica para perceber por que é que a comunidade científica é importante na legitimação do conhecimento científico. Consulte a bibliografia abaixo para ver alguns dos escritos de Gordin sobre a excentricidade científica. Enquanto pesquisava este episódio na Biblioteca e Arquivos Niels Bohr, deparei-me com a Coleção Alex Harvey sobre “Teorias Excêntricas”. O nome pareceu-me estranho, decidi então requisitar o material. Harvey, antigo presidente do Departamento de Física do Queens College, em Nova Iorque, colecionou cerca de duas dúzias de panfletos pseudocientíficos, que mais tarde doou à Biblioteca e Arquivos Niels Bohr.
Velikovsky na reunião de 1974 da AAAS Fotógrafo: Donna Foster Roizen. Detentor dos direitos autorais: Frederic Jueneman. Disponível no Wikimedia Commons. Velikovsky no Encontro AAAS de 1974 em San Francisco.
Fotografia do interferômetro, que foi usado para estudar as propriedades do éter. Interferômetro Ether-Drift, usado por Morley e Miller em 1903-1905. Uma versão anterior deste dispositivo que foi usada no experimento de Michelson-Morely de 1887 não detectou nenhum arrasto na propagação das ondas de luz do éter, desferindo um golpe na teoria que havia sido dominante durante grande parte do século XIX.I Créditos de mídia - AIP Emilio Segrè Arquivos Visuais
Retrato de Herbert Ives. Créditos de mídia: Bell Laboratories / Alcatel-Lucent USA Inc., cortesia AIP Emilio Segrè Visual Archives, Physics Today Collection
“O autor (Ralph Hartley), entendendo mal os resultados da campanha de Herbert Ives contra as transformações de Lorentz e a teoria da relatividade especial, argumenta erradamente que devemos regressar à mecânica clássica para um princípio de relatividade." Ele, portanto, procura um sistema clássico capaz de propagar o movimento das ondas de acordo com as equações de Maxwell e apresenta o modelo giróstato de Kelvin do éter de MacCullagh de 1839. Que algumas das propriedades de suas soluções imitam o comportamento dos objetos na teoria especial da relatividade não é surpreendente, pois decorrem das equações de Maxwell. Assim, com base em um mal-entendido alimentado pela luta obstinada de Ives [sic] contra Lorentz e Einstein, o autor propõe um passo que lançaria a física teórica para o século passado.” Hartley não foi dissuadido pela relutância dos editores de periódicos em publicar suas ideias. Ele finalmente teve um artigo publicado na edição de outubro de 1959 da Philosophy of Science. O nome da revista sugere que seus editores estavam mais dispostos a aceitar artigos que iam contra a corrente da ciência. Depois que seu artigo foi publicado, Hartley encontrou alguns apoiadores em todo o mundo que também eram céticos em relação à teoria da relatividade de Einstein. Ainda assim, ele teve problemas para publicar suas pesquisas subsequentes sobre o éter em revistas científicas. Nunca foi um homem saudável, Hartley sofria do que chamou de “exaustão nervosa”, que o manteve acamado e se recuperando por meses. Apesar de sua doença, ele continuou sua pesquisa até sua morte em 1970. A comunidade científica tem o papel decisivo na determinação do que é ou não ciência. Velikovsky foi capaz de construir algumas instituições paralelas que se assemelhavam às da ciência legítima, mas após sua morte seus seguidores lutaram para manter o ímpeto que o próprio Velikovsky trouxe para seu campo de estudo. No caso de Hartley, o processo de revisão por pares funcionou como planejado para garantir que sua reversão à teoria ultrapassada do éter não ganhasse força no mainstream científico. A publicação das ideias de Hartley lhes daria credibilidade, o que poderia, por sua vez, prejudicar a reputação da ciência legítima. A forma que a ciência assume sua linguagem, metodologias e processos editoriais é bastante atraente para os pseudocientistas. No entanto, da mesma forma, ideias que são muito bizarras raramente chegam muito longe nas principais instituições científicas. O objetivo de focar nos pseudocientistas não é diminuir seus esforços, mas sim destacar o importante papel que a prática social da ciência desempenha na geração de conhecimento legítimo, verificável e preciso sobre o mundo natural.
A rtigo gentilmente cedido pela American Institute of Physics. Sugestão: Após a leitura do texto abaixo, vá a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 5: Einstein estava errado?
Portrait of Ralph V.L. Hartley. Courtesy of Wikimedia Commons.
Sugestões de leitura sobre o tema Gordin, Michael D. On the Fringe: Where Science Meets Pseudoscience. New York: Oxford University Press, 2021. Gordin, Michael D. The Pseudoscience Wars: Immanuel Velikovsky and the Birth of the Modern Fringe. Chicago: University of Chicago Press, 2012.
A sua qualidade variava, desde panfletos bizarros a monografias encadernadas indistinguíveis de livros científicos legítimos (exceto no que diz respeito a numerosos erros de digitação - as “vanity press” são editoras onde qualquer pessoa pode pagar para publicar um livro, - parecem ter padrões baixos de edição de texto). Em alguns dos manuscritos, Harvey anexou postits com instruções como "teoria excentricas - jogue fora". Por alguma razão, ele ignorou o seu próprio conselho, acabando por deixar a NBL&A com esta coleção muito incomum. Não sei o motivo exato pelo qual essas pessoas excêntricas enviaram seus manuscritos para Harvey. Posso especular que os autores buscaram a aprovação dentro da comunidade científica. Se suas ideias fossem tão revolucionárias, mesmo que simples ou óbvias, eles poderiam ter pensado, os cientistas que realmente trabalham com ciência, não deveriam ter problemas em ver o mérito de seus argumentos e apoiar suas conclusões. Embora muitos dos pseudocientistas incluídos na coleção de Harvey tivessem grandes egos é preciso ter uma tremenda convicção para descaradamente contestar teorias estabelecidas eles provavelmente ainda reconheciam a dimensão social da pesquisa científica e o papel que a comunidade desempenha na legitimação do conhecimento. Velikovsky foi um nome familiar; seu primeiro livro Worlds in Collision (NDT no Brasil: Mundos Em Colisão Editora Melhoramentos - 1981) vendeu bem quando foi publicado em 1950. Velikovsky argumentava que o planeta Vênus era na verdade um cometa que se originou perto de Júpiter; séculos atrás, passou perto da Terra, reorientando o eixo e a órbita do nosso planeta. Velikovsky mais tarde afirmaria que o cometa também continha petróleo, que se inflamou ao passar pela atmosfera da Terra. Os observadores teriam testemunhado essas catástrofes perigosas e as atribuído à ira divina, que forneceu a base para as histórias do Antigo Testamento. Você não está sozinho se pensar que os argumentos apresentados por Velikovsky em Worlds in Collision são bem esquisitos. Inicialmente, Velikovsky tentou atrair interesse em seu catastrofismo enviando cópias de seu manuscrito para cientistas e bibliotecários, recebendo poucas respostas. Depois de muitas rejeições das editoras, Velikovsky foi aceito pela Macmillan, uma conceituada editora de livros acadêmicos. Quando Macmillan anunciou os detalhes da publicação, os cientistas responderam veementemente contra o livro, criticando a falta de formação de Velikovsky sobre astronomia e bem como o básico em física. Edward Thorndike, predecessor de Alex Harvey no Queens College, foi um dos primeiros revisores. Sobre Worlds in Collision, ele escreveu “a física não é boa”. Ao invés de dissuadi-lo, a resposta dos cientistas ao seu livro fez de Velikovsky uma celebridade, e impulsionando as vendas de seu livro na estreia. Enquanto os cientistas conseguiram convencer Macmillan em cancelar a publicação de Velikovsky, o contrato foi fechado pela Doubleday, que logo se tornou um best-seller em mãos. Gordin continua descrevendo como Velikovsky capitalizou a contracultura e sua rejeição à ciência estabelecida, Gordin continua descrevendo como Velikovsky capitalizou a contracultura e sua rejeição à ciência estabelecida, em alguns momentos criando revistas revisadas por pares e cursos de estudo para o Velikovskianismo, assemelhando- se às práticas científicas convencionais. Como Velikovsky continuou a publicar suas ideias sobre catástrofes cosmológicas, os cientistas denunciaram ruidosamente sua pesquisa como pseudociência, o que permitiu a Velikovsky apresentar-se como um cavaleiro solitário. As coisas chegaram ao auge na reunião de 1974 da Associação Americana para o Avanço da Ciência, durante a qual os organizadores da conferência agendaram uma reunião em que o próprio Velikovsky discutiu seu trabalho com cientistas como Carl Sagan. A reunião foi concebida pela primeira vez em 1972, depois que Walter Orr Roberts, ex-presidente da AAAS, sugeriu um simpósio para reunir astrônomos e velikovskianos após a leitura da primeira edição do Pensée, o jornal de Velikovsky. Nenhum dos lados saiu da reunião convencido das conclusões do outro, no entanto os cientistas podiam dizer que deram a Velikovsky um tratamento justo. Como Velikovsky, os autores incluídos na coleção Harvey tinham personalidades fortes que transparecem em seus escritos. Eles estavam, em sua maioria, convencidos de seu próprio brilhantismo diante do consenso científico. A maioria dos autores cujo trabalho está na coleção, contesta a precisão da teoria da relatividade de Einstein. Frequentemente, eles apresentam seus argumentos em uma linguagem que soa científica e pode passar por ciência legítima para leitores desinformados. Os escritores incluídos na coleção Harvey apontam para o apelo da validação científica. Os “pseudocientistas” entendem que, mesmo que os cientistas estejam errados sobre Einstein (e, portanto, muito da física no século XX ), eles continuam sendo os árbitros do que constitui fato científico e ficção pseudocientífica. Pseudocientistas não podem acrescentar ou desafiar fatos científicos se cientistas legítimos não estiverem dispostos a considerar seu trabalho.
Sugestão: Após a leitura do texto acima, a página do podcast, com áudio em inglês e a transcrição em português. Podcast do Episódio 2: Entrando no Antropoceno: Ciência Justin Shapiro, Coordenadora de Podcast e Divulgação Veja todos os artigos de Justin Shapiro
Ciência e Cutura na escola
Boa parte das imagens utilizadas neste site pertencem a tercei- ros, que gentilmente permitiram sua utilização, assim sendo não posso autorizar a utilização destas imagens.